Escolha uma Página

As tendências para o mercado financeiro deixam clara a importância e o impulso que deve ganhar o cooperativismo nos próximos anos. Esse foi um dos aspectos centrais do encerramento do primeiro dia de programação do 3º Fórum Integrativo Confebras Digital, promovido pela Confebras.

O talk show “O futuro do cooperativismo de crédito” teve palestra do diretor de Fiscalização do Banco Central do Brasil (Difis), Paulo Souza, e contou com a participação do presidente da Confebras, Kedson Macedo, e do vice-presidente da entidade, Luiz Lesse Moura Santos. “O Banco Central tem plena convicção do que o sistema cooperativista é capaz. É um segmento que, no cenário recente de crise, está demonstrando, mais uma vez, sua resiliência”, observou Souza.

Falando sobre as ações de enfrentamento ao impacto econômico causado pela Covid-19 no âmbito do Sistema Financeiro Nacional, Paulo Souza destacou o papel das cooperativas de crédito. Num cenário em que, de acordo com o executivo do Bacen, espera-se uma retração de cerca de 4,5% do PIB nacional, o cooperativismo foi fundamental para o movimento de recuperação que se observa, bem como em todas as frentes de trabalho cujo foco foi buscar a maior estabilidade possível, com manutenção do fluxo de oferta de crédito, apesar da aversão ao risco, característica desses momentos.

Dados credenciam o papel do cooperativismo

Os números são um bom demonstrativo dessa realidade. Em se considerando o período entre setembro de 2019 e setembro de 2020, a carteira PJ das cooperativas cresceu cerca de 30%. É um segmento que, para Souza, tem potencial para triplicar a operação. Ainda mais se considerada a forte adaptação tecnológica e o alinhamento com valores muito presentes na visão futura do Sistema Financeiro Nacional, focada não apenas no produto, mas no cliente.

“Um caminho, nesse sentido, é ser cooperativo, apostando no fato de que o cooperado é dono e cliente. Quando se consegue conquistá-lo para exercer esses papéis na plenitude, a cooperativa se diferencia. Cada instituição do sistema cooperativista deve levar essa missão”, complementou o presidente da Confebras, Kedson Macedo.

Palcos temáticos com debates estimulantes

As análises de especialistas fecharam, com chave de ouro, a produtiva tarde de debates do primeiro dia do Fórum. Foram três painéis temáticos que lançaram luzes sobre temas como transformação digital e criatividade, além de contarem histórias inspiradoras. O especialista em Design Thinking e metodologias colaborativas, Andre Bello, trouxe uma instigante abordagem sobre a revolução tecnológica e seus impactos sobre nosso estilo de vida e comportamento. Bello mencionou, ainda, as competências e habilidades necessárias para esse novo mundo. Em seguida, e ainda como parte do palco temático Inovação e Transformação Digital, foram apresentadas as ações de inovação e transformação digital implementadas pelo Sicoob, na fala de Márcio Rodrigues, superintendente de Governança de TI e Segurança Cibernética do Centro Cooperativo Sicoob.

O importante e necessário espaço para as mulheres no mundo corporativo foi a abordagem da advogada Lisiane Lemos no palco Histórias Inspiradoras. Engajada em movimentos pela inclusão de pessoas negras no ambiente corporativo, como o Blacks at Microsoft, Lisiane fundou a Rede de Profissionais Negros.

Na sequência, foi a vez do jovem e destacado empreendedor José Felipe Carneiro, fundador da premiada Cervejaria Wäls, marca da Ambev, falar sobre valores inegociáveis, desafios e sonhos. O jovem e destacado empreendedor abordou inovação, cooperação e evolução, reforçando a importância de se levar a sério o sentimento de pertencimento, algo que, segundo ele, o cooperativismo trabalha em sua essência.

Já, no palco temático sobre comunicação e criatividade, o jornalista Luiz Augusto Araujo falou sobre o impacto negativo que as falhas de comunicação têm sobre o desempenho das empresas, trazendo dicas sobre como trabalhar uma comunicação assertiva. Sua exposição foi seguida pela fala de Andrea Iorio, escritor best-seller e já foi diretor do Tinder e chief digital officer na L’Oréal, que enfocou a Criatividade na Era Digital. Foi um convite para sermos protagonistas e não espectadores da realidade, numa visão que busca a criatividade como caminho para romper barreiras.

“Foi um dia muito produtivo e altamente esclarecedor. E esse foi o objetivo do evento, de modo a olhar para o futuro do cooperativismo, estimulando a pensar, a fazer diferente a e encarar os desafios que temos no cooperativismo”, analisa a superintendente da Confebras, Telma Galletti.

Durante esta quinta-feira, a programação do 3º Fórum Integrativo Confebras Digital segue com painéis de debates e workshops. À noite, a palestra de encerramento será com a consultora Maria Augusta Orofino, que fala sobre a tríade do futuro dos negócios: estratégia, criatividade e inovação. Para acessar a programação, inscreva-se em confebrasdigital.coop.br

O evento tem o patrocínio do Grupo ProtegeYassakaCrediSISIcatu CooperaLiveloMAG Seguros, CNAC – Confederação Nacional de Auditoria CooperativaUnicredFNCCSicoobZaia e Saque e Pague. Apoiam o evento a Central AilosCooperforteSicredi, além do apoio institucional do Banco Central do Brasil e da OCB.