Escolha uma Página

Cooperativismo e economia solidária são dois conceitos totalmente vinculados. Ambos tratam de uma jornada sustentável e que tem como consequência um impacto positivo e transformador nas comunidades e na vida das pessoas. Sancionada em 2019, a Lei 13.928/19 instituiu o Dia Nacional da Economia Solidária, comemorado anualmente neste dia 15 de dezembro, em todo o território nacional. Para celebrar esta data, que reforça a importância da colaboração e dos interesses comuns nas atividades econômicas, o gerente do Cresol Instituto, José Carlos Vandresen, concedeu uma entrevista para a Confebras.  

Responsável pelo acompanhamento de projetos sustentáveis do Cresol Instituto, Vandresen apresenta ações que transformaram comunidades inteiras por meio do Cooperativismo de Crédito e que reforçam a importância da cooperação, da sustentabilidade e da solidariedade neste contexto. Confira!  

Como o Instituto Cresol trabalha o conceito de economia solidária? 

José Carlos Vandresen: A criação da Cresol está vinculada às necessidades e às demandas das unidades de produção da agricultura familiar. Hoje, o trabalho expandiu para as micro e pequenas empresas, conectado à ideia de um acompanhamento muito próximo do setor produtivo, ou seja, da produção de alimento ou de qualquer tipo de micro e pequena empresa que não vise simplesmente a ação da instituição financeira, mas, sim, o olhar para o desenvolvimento, o olhar para essa relação do negócio que precisa dar certo na vida das famílias. Então, essa é uma caraterística muito forte dessa relação do conceito solidário da Cresol. E a experiência que eu compartilho nesta entrevista é a abertura de uma agência da Cresol no município de Codajás, no Amazonas, há aproximadamente quatro anos, a partir da Cresol Rondônia.  

Por favor, nos conte sobre o case de Codajás. 

Vandresen: Essa é uma experiência muito forte de uma região bastante isolada, com quase nenhuma instituição financeira, e a Cresol chegou no município buscando o desenvolvimento local – caraterística muito latente no Cooperativismo de Crédito: onde se instala uma cooperativa, a economia local é fortemente desenvolvida e na Cresol não é diferente. Por exemplo: além dos serviços financeiros, a cooperativa também levou todo o serviço de acompanhamento técnico, as parcerias, esse valor agregado muito forte do setor produtivo e, principalmente, os créditos vinculados a um processo de produção. Em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, a Cresol começou a trabalhar com os agricultores e a lógica dos investimentos.  

Além da vontade de transformar e do apelo local, em Codajás já havia algumas organizações cooperativas, mas com bastante dificuldades. Sendo parte de um sistema, se consegue muito mais facilmente essa implementação de uma estratégia e, principalmente, viabilidade de crédito. A parceria com o BNDES foi fundamental para fomentar a produção ou as linhas produtivas, fortalecer as cadeias locais de produção, e, principalmente, desenvolver pessoas, negócios e a região.  

E quais os resultados obtidos até agora? 

VandresenA agência de Codajás tem resultados extremamente positivos e reafirma o compromisso da Cresol em desenvolver a realidade dos negócios, dessa economia circular que está a partir dos pequenos, dos microempreendedores, da agricultura de forma geral. Destaco o fortalecimento do quadro social, a sustentabilidade, a confiança da comunidade local, que percebeu a transformação da sua realidade. O impacto fica claro na esperança do agricultor, nas parcerias locais firmadas para acompanhamento técnico – projeto que envolve assessoria, educação financeira, acessibilidade e formação. Isso tudo influencia diretamente na qualificação dos nossos cooperados por meio dos profissionais que fazem parte da Cresol. Com a abertura da agência em Codajás, por exemplo, fizemos uma atuação muito forte sobre o uso consciente do dinheiro: mais de 300 pessoas foram capacitadas e beneficiadas para além do crédito, com a educação cooperativista, a educação financeira, o acompanhamento sócio-produtivo e, principalmente, programas de desenvolvimento local e regional.   

Quais outras iniciativas relacionadas à economia solidária foram instituídas pela Cresol?  

Vandresen: A implantação da agência em Codajás faz parte de duas grandes parcerias: a primeira com o BNDES em um programa chamado Projeto de Desenvolvimento Integrado – PDI, e a segunda, em um programa de cooperação internacional onde a Cresol, desde a sua origem, teve vinculação com uma organização de cooperação internacional chamada Trias, com sede na Bélgica. Toda a expansão da Cresol para além da região Sul do Brasil está vinculada com essa organização, com o objetivo de buscar força de articulação cooperativista, que é forte na Europa, e compartilhar essa força com as outras regiões brasileiras.