O mundo cooperativista é tema de entrevista com Kedson Macedo

O Cooperativismo de Crédito, para quem conhece seus princípios e suas contribuições ao longo dos tempos à humanidade, é fascinante. Quando dois apaixonados fazem um overview e discutem o potencial que o cooperativismo embute como modelo econômico e estilo de vida, o resultado é surpreendente. 

Este foi o tom da entrevista realizada pelo professor José Carlos de Assunção, disponível em seu canal do YouTube, com o presidente da Confebras, Kedson Macedo. Assunção atua em Governança Cooperativa, é professor convidado de instituições de renome como FGV e USP/Esalq, e já esteve à frente de vários cargos gerenciais em instituições cooperativas. Em cerca de uma hora de um gostoso bate-papo, Kedson Macedo foi convidado a explanar seu histórico profissional e a tratar dos temas ligados à Confederação, à Economia Solidária e ao Cooperativismo. Em seus 30 anos de carreira no Banco do Brasil, conheceu o segmento na diretoria de Microempresas, que ajudou a estruturar, e na qual criou uma área específica para atendimento às cooperativas e disponibilização de produtos específicos, como foi o caso das contas-espelho dos cooperados nas instituições. “Naquele momento me apaixonei pelos valores do cooperativismo e pelo negócio em potencial”, reconheceu. Ao sair do BB, foi convidado a ingressar na Cooperforte, uma das maiores cooperativas singulares independentes do país, onde hoje desempenha a função de diretor executivo. Na entrevista, o presidente Kedson, confessa também sua paixão por conhecer e estudar, razão pela qual acumulou sólida formação, com a realização de vários cursos de especialização, culminado com a recente experiência no MBA Executivo na Fundação Dom Cabral, que descreveu “como um espaço fértil em competências e uma rica experiência de transformação do mindset e de estímulo da capacidade inovativa ”.

Na sequência, ao discorrer sobre modelos econômicos presentes no mundo, foi categórico: “Entre o capitalismo e o socialismo, o melhor caminho é o do meio – o cooperativismo”. E justificou com base no foco do cooperativismo pela valorização do coletivo acima do individual, onde todos os sócios contribuem igualmente para a prosperidade e felicidade comuns e participam dos resultados auferidos, caracterizando um sistema democrático e inclusivo. Não é à toa que o cooperativismo está na base de sustentação econômica e social dos países mais desenvolvidos, como EUA, Alemanha, França, Canadá e outros.

Sobre a atuação da Confebras, também pauta da entrevista, pontuou como uma entidade supra sistêmica, tendo em seu quadro atual de filiadas três Confederações, uma Federação, 17 Centrais e 17 Singulares, reunindo mais de 6,25 milhões de associados indiretos. Questionado sobre o “segredo” da Confederação para se destacar entre outras entidades que fornecem capacitação e serviços, Kedson afirmou que o diferencial está no papel desempenhado com afinco na defesa institucional do cooperativismo de crédito junto aos órgãos governamentais, Banco Central e representantes da sociedade civil; na promoção das viagens internacionais de intercâmbio técnico, formando liderança e disseminado boas práticas; nas atividades EaD e nos grandes eventos para integração e troca de experiências, a exemplo do Congresso Brasileiro do Cooperativismo de Crédito – CONCRED e do Fórum Integrativo ConfebrasIsso sem contar as parcerias com a OCB, CECO, Banco Central do Brasil e o FGCoop para garantir um espaço de diálogo contínuo em favor da causa cooperativista.

Quanto à meta para as cooperativas alcançarem 20% das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional até 2022, segundo preconiza a Agenda BC#, Kedson está otimista. “Embora ainda apresente pequena participação nos ativos do Sistema Financeiro Nacional, algo em torno de 5% em 2019, o conjunto das cooperativas tem crescido a taxas bem interessantes e significativamente maiores que dos demais segmentos financeiros. No ano passado, a carteira de crédito na pessoa física e pessoa jurídica cresceu 25% nas cooperativas, enquanto que o sistema bancário tradicional teve um crescimento de 5%”, apontou. E acrescentou “o Banco Central vê nas cooperativas uma oportunidade de desconcentração do mercado bancário e de inclusão e cidadania financeira”.

O presidente da Confebras ainda defendeu a necessidade de o cooperativismo de crédito voltar os olhos para as empresas de pequeno porte e para a população de baixa renda, principalmente no Norte e Nordeste, onde o cooperativismo ainda carece de rede de atendimento com maior capilaridade e atuação desenvolvimentista. Esta é uma das razões da realização do próximo CONCRED na cidade de Recife (PE), em março de 2021. Pretende-se, a partir deste importante centro urbano, conhecido como o coração do Nordeste, irradiar o cooperativismo por toda a região.

Por fim, destacou que as cooperativas têm sido grandes parceiras da comunidade nestes tempos de pandemia, ao promover ações negociais que estão levando alívio financeiro aos associados, além de praticar a essência da solidariedade e ajuda mútua, bases do cooperativismo, ao realizar campanhas sociais de doações de equipamentos, EPI, cestas básicas, insumos hospitalares, às comunidades neste período de pandemia. 

Outro tema interessante que é debatido, de interesse dos empresários associados, refere-se ao Pronampe – Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, anunciado pelo Governo Federal, que terá forte atuação das cooperativas na contratação dos recursos disponíveis, sempre de forma ágil e facilitada, sem a burocracia dos bancos comerciais. 


 
Vale a pena conferir!

Data da publicação: 16/07/2020

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O que você achou desse conteúdo?



    Receba nosso conteúdo por e-mail

    Confira, em primeira mão, todas as novidades, notícias e informações sobre o universo do cooperativismo.
    ©CONFEBRAS | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS