HISTÓRIA DO COOPERATIVISMO FINANCEIRO PELO MUNDO

“...o espírito da cooperativa é profundamente humano. Vamos encontrá-lo em todas as sociedades, mesmo nas mais primitivas.”

Gromoslav Mladenatz

Cooperativismo primitivo

Babilônia, 1800 a.C

Segundo o professor Hans Müller, os babilônios tinham organizações semelhantes às nossas associações de arrendamento de terras.

De 200 a.C. a 300 d.C.

Pequenos artesãos gregos e romanos, neste período, tinham sociedades funerárias e de seguros baseadas na ajuda mútua.

Do Ano Zero a 300 d.C.

Segundo o economista alemão Lujo Brentano, os ritos eucarísticos (ágapes) dos primeiros cristãos tinham forma primitiva de cooperativas de consumo, que era comunitário, coordenado por encarregados pelo abastecimento.

Primeiras manifestações

"Die Genossenschaft ist urdeustsch (a cooperativa é pré-alemã)

Entre os povos germânicos, a vida agrária desenvolveu-se com bases cooperativas, pois as condições de escassez impunham a prática da ajuda mútua para vencer as dificuldades.

Idade Média

Nos monastérios cristãos, grupos encarregados pelo abastecimento funcionavam como uma cooperativa integral. A produção e o consumo eram responsabilidade de todos.

Nos Alpes, camponeses suíços, italianos e franceses uniam-se em grupos para transformar o leite, assim como acontecia na Inglaterra.

Idade Moderna

Na França, surgiram as "queijarias" (associações de fabricantes de queijo das regiões do Jura e da Savoie), que são consideradas as mais antigas associações cooperativas.

Primeira cooperativa da história

Na Inglaterra, na metade do século XIX, nasceu a organização que é o marco inicial do cooperativismo moderno: a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale, de consumo cooperativo.

PRECURSORES DO ATUAL COOPERATIVISMO DE CRÉDITO

Na Alemanha – berço do movimento

O cooperativismo de crédito atual tem sua origem ligada a dois nomes: Schulze-Delitzsch e Friedrich Raiffeisen.

Herman Schulze criou, em 1850, o modelo de cooperativas de crédito, de abastecimento e de vendas, adaptadas às necessidades da classe média alemã urbana, que foi denominado modelo Schulze-Delitzsch.

Quatro anos depois, em 1854, Friedrich Wilhelm Raiffeisen, criou modelo cooperativo: uma sociedade de crédito para produtores rurais financeiramente necessitados.

Em outros países

Os modelos cooperativistas alemães, levados para outros países da Europa e da América do Norte e adaptados às condições locais, deram origem a modelos intermediários, como por exemplo:

Itália – Em 1864, Luigi Luzzatti adotou o Sistema de Schulze-Delitzsch, adaptando-o à realidade italiana, e constituiu, em 1965, o primeiro Banco Cooperativo Urbano em Milão.

Em 1883, Leonel Wollemborg preconizou a bem-sucedida criação de cooperativas de crédito e de cooperativas agrícolas, no modelo Raiffeisen e as uniu em uma federação, em 1888.

Canadá – Em 1900, Alphonse Desjardins, inspirado nos modelos de Schulze-Delitzsch, Raiffeisen e Luzzatti, criou a primeira Caixa Popular do Canadá.

Estados Unidos – Em 1909, a partir de estudos de Edward A. Filene e Alphonse Desjardins, foi criada a Caixa Popular de Santa Maria, no estado de New Hampshire.